Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

ode à rotina

sobre o feio e o bonito. a minha rotina é ler.

 

Sinopse:

Toru, a quiet and preternaturally serious young college student in Tokyo, is devoted to Naoko, a beautiful and introspective young woman, but their mutual passion is marked by the tragic death of their best friend years before.  Toru begins to adapt to campus life and the loneliness and isolation he faces there, but Naoko finds the pressures and responsibilities of life unbearable.  As she retreats further into her own world, Toru finds himself reaching out to others and drawn to a fiercely independent and sexually liberated young woman.

A poignant story of one college student's romantic coming-of-age,Norwegian Wood takes us to that distant place of a young man's first, hopeless, and heroic love.

 

Review:

De Murakami, ainda só li dois. O primeiro mereceu cinco estrelas, este desiludiu-me um pouco e, reflectindo melhor, desci-o de quatro para três. Três e meio, se fosse possível (tens de actualizar o sistema, goodreads).
Continuo a gostar da escrita e do estilo coloquial que faz parecer que eu estou lá, inserida no dia-a-dia das personagens. 
Eu gosto de protagonistas com pouco a oferecer, os sem-talento, os normais, os apáticos e sem interesse. Se calhar, sou ao contrário dos outros, mas gosto mesmo desse tipo de personagem, seja para ler ou escrever.
Também gosto de temáticas depressivas, tenho especial gosto em ler sobre os assuntos aqui abordados e certas personagens comoveram-me.
No entanto, não posso dizer que tenha sido genial e não acho que se compare a Sputnik. Por mais que goste de ler sobre os não-especiais, as personagens em geral podiam ter sido mais cativantes, menos insossas. Honestamente, não consegui ligar-me à maior parte delas.
O ritmo é lento, a plot é escassa, mas eu gosto assim. Porém, houve alturas em que o livro parecia um aglomerado de mortes bizarras, todas iguais umas às outras e se era suposto sentir empatia e pena por todos os desfechos, não senti.
Não gostei da piada da violação, quando Toru visitou o sanatório. Cai-me mal que brinquem com essas situações e, mesmo que o objectivo do autor não fosse ofender, eu cortava essa parte. Houve mais aspectos em relação à maneira de abordar o sexo que me incomodaram, mas aquele foi o mais flagrante.
Gostei do final que me deixou desnorteada. 
Foi um bom livro e, possivelmente, irei reler. Quando dou três estrelas, não significa que não tenha sentido impacto ao ler, mas não é um trabalho brilhante. Ainda assim, vou recomendar.

 

 

Classificação:

3 out of 5 stars

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.